Postagem em destaque

Alguns equívocos do Moses

Imagem
Este post tem por objetivo refletir sobre algumas declarações de João Luiz Santolin, presidente do Moses, durante um seminário promovido pelo Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM) em parceria com o Instituto de Estudos da Religião (ISER), conforme publicado no livro "Religião e Sexualidade: Convicções e Responsabilidades, organizado por Emerson Giumbelli, publicado pela Editora Garamond, 2005 (ISBN 8576170604, 9788576170600). De acordo com Santolin, o Moses foi fundado em 1997. Ele está certo. Ele só não disse que isso aconteceu durante a Parada Gay celebrada no Rio de Janeiro, no referido ano. Também não disse que éramos três: Santolin, Liane França e eu (quem tiver dúvida, consulte o jornal O Globo, publicado no dia seguinte ao da passeata, pois nossos nomes estão lá no último parágrafo da matéria de cobertura da Parada Gay). Obviamente, ele não disse, devido ao constrangimento causado pela entrevista que dei em novembro de 2004 à revista Época, na qu

Um ano sem minha melhor amiga...

Tudo que é vivo morre. Tudo que é verde seca.

Há um ano minha melhor amiga de todos os tempos faleceu. Ela era uma mulher forte, corajosa, bondosa, dona de uma genialidade incrível, conseguiu ver gerações virem e irem e sempre conseguiu falar a língua de seu tempo.


Ela me viu nascer, crescer, participou ativamente da minha criação, viu-me casar, gerar dois filhos, ser ordenado pastor, renunciar, separar, sair do armário, namorar outros caras até conhecer Emanuel e firmar compromisso com ele. Ela também viu suas quatro netas nascerem e crescerem. Viu uma delas ter dois filhos. Mas no ano passado ela sofreu do mesmo problema que levara seu querido esposo tantos anos antes.


Hoje será celebrada uma missa de um ano a pedido da família. Eu honestamente não acredito em almas imortais e coisas do tipo. Não pretendo comparecer. Mas, não poderia deixar de compartilhar esse momento na tentativa de dividir memórias inesquecíveis que marcaram a minha vida com o carinho e apoio dessa pessoa maravilhosa que deu a todos nós o privilégio de sua presença por 86 anos - minha avó Maria!!! Seu nome era composto: Maria Jerônima! Imagine, a lendária doçura de Maria com a força de Jerônimo. Essa mulher era a mistura perfeita de ambas: doce e forte!!!


É carnaval, momento de festa, mas eu precisava lembrar de quem fez minha vida mais gostosa por 39 anos. Infelizmente, farei 40 sem ela. Adoraria tê-la por perto no dia da minha quarta década. Ela viveu mais que o dobro disso! E ficaria toda boba de poder ver o neto chegar a marca de 4.0... E acabou que eu é que vivi para ficar triste por perdê-la.


À minha eternamente lembrada melhor amiga, meu amor in memorian.

Comentários

  1. Lembro do ano passado. Lembro bem de vc falando com ela sobre dormir...Não vi, mas foi tudo tão bem escrito que quase pude tocar o momento.
    Tudo é assim: começo, meio e fim.
    Vovó não o verá fazer 40 anos, mas muitos verão! Ela certamente viu o suficente prá morrer feliz.
    Bjs, meu amigo!

    ResponderExcluir
  2. É verdade. Escrevi aquele post no uol com o coração nas digitais. Obrigado por lembrar. Vc é muito especial.

    Um beijo carinhoso.

    Te adoro!

    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia

Humorista 'Picolina' é encontrada morta dentro de casa em Fortaleza