Postagem em destaque

Parada SP ao Vivo: Flashes do evento

Imagem
Pablo Vittar se apresentou na Parada de São Paulo ao Vivo A atração foi trazida pela TIM Por Sergio Viula A Parada da Diversidade de São Paulo cresce a cada ano, inclusive quando realizada virtualmente. De 2018, quando começaram as transmissões simultâneas com a parada na rua, trabalho realizado pela Dia Estúdio, liderada por Rafa Dias, até esse ano de pandemia (2021), o evento experimentou um crescimento estratosférico! Transmitido simultaneamente por 13 canais de peso e patrocinado por gigantes do mundo empresarial (Accor, Amstel, Avon, Bradesco, British Council, Burger King, Doritos, Jean Paul Gaultier, Mercado Livre, Smirnoff e TIM), o evento durou mais de 9 horas , começando às 14h de ontem (domingo). A line-up do evento contou com LINE UP: Alberto Pereira Jr., Bielo Pereira, Dindry Buck, Diva Depressão, Fefito, Gloria Groove, Jean Luca, Katu Mirim, Léo Viturinno, Lia Clark, Linn da Quebrada,  Lorelay Fox, Louie Ponto, Lucas Raniel, Majur, Mandy Candy, Marcia Pantera, Maria Gadú,

O CONTO DA AIA e nós

The Handmaid's Tale (O Conto da Aia)
Nada pode substituir a liberdade!



Por Sergio Viula


Hoje foi dia de manifestação em Ipanema. Motivo: a destruição da Amazônia acelerada pelo des-governo atual. 

Andre e eu jantamos jantamos perto de casa e falamos sobre isso, inclusive no caminho de volta. 

Infelizmente, nem tudo sai como planejamos - durante a noite, Andre piorou da crise alérgica que já estava enfrentando desde o período da tarde de sábado. O desconforto foi tanto que dormimos muito mal. Eu dormi praticamente nada durante toda a noite e fui acordar ao meio-dia com aquela sensação de corpo alquebrado e cabeça meio fora de órbita. 

O frio, coisa que agrava o quadro dele quando fica atacado de alergia, precisava ser evitado a todo custo. Como a manifestação era ao ar-livre e próxima do mar, não arriscamos. Ficamos em casa e preparamos nosso almoço, que foi só foi servido às 16:00, aproximadamente. 

Apesar do desapontamento de ambos, ter ficado em casa nos proporcionou a oportunidade de assistir a segunda temporada de The Handmaid's Tale (O Conto da Aia) até o fim. Desde a primeira temporada, não conseguimos mais nos desligar dessa série. 

Geralmente, não damos a mínima para séries, mesmo quando são muito populares. A verdade é que essa série nos fisgou por sua a temática - uma distopia vivida nos EUA depois de um golpe fascista de cunho teocrático. Não tem como não pensar no valor da liberdade, do amor, do direito de ir e vir, do direito à informação, ao conhecimento sem restrição ou distinção de quaisquer espécies. 


A autora do Conto de Aia,  
a canadense Margareth Atwood


Leia o livro. À venda na AMAZON.

Assista a série no Globoplay.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈