Postagem em destaque

Mãe de Paulo Gustavo faz 74 anos e fala com Ana Maria Braga

Imagem
17 de setembro de 2021 Por Sergio Viula Interrompendo aqui a nossa série sobre religião e diversidade sexual, gostaria de incentivar você a assistir essa entrevista maravilhosa feita por Ana Maria Braga com Dona Déa Lúcia, a mãe do querido Paulo Gustavo, falecido há quatro meses. Hoje, é aniversário dela - 74 anos - e Dona Déa deu um show de amor e de sabedoria durante toda a entrevista. Você vai se emocionar, aprender, crescer e se tornar melhor como ser humano se aplicar o que ela falou aqui sobre uma das coisas mais importantes para o indivíduo - a família, especialmente quando se trata de filho ou filha LGBT+. Não deixe de ver. É logo no começo do programa. Depois que a Ana Maria faz a abertura com suas mensagens típicas de encorajamento, ela já passa para a abertura da entrevista com cenas de Paulo Gustavo trabalhando como Dona Hermínia. Imperdível! Assista aqui:  https://globoplay.globo.com/v/9867337/programa/?s=0s Parabéns pelo seu aniversário e pela mulher fantástica que você é

59º aniversário da Turma OK: Nós fomos!

Por Sergio Viula
Esse post também encontra no Wordpress.

Hoje, dia 13/01/2020, a Turma OK celebra mais um ano. Depois de uma missa na Paróquia de Santo Antônio dos Pobres, no Centro do Rio, o primeiro grupo LGBT+ conhecido no Brasil celebra 59º aniversário com muita badalação na sede do grupo, situada na Rua dos Inválidos, 39, também no Centro do Rio. A turma OK abre as portas semanalmente em vários dias diferentes. Os interessados em aparecer para um drink e muita diversão podem entrar em contato pelo telefone 21- 3177-0181 ou pelo WhatsApp do grupo: 21 - 98777-8499.

A programação de hoje na sede nos brindou com shows de transformistas, drag queens, travestis e homens gays nos mais variados estilos. Um dos mais belos discursos foi de uma senhora que representava as mães da Turma OK, ou seja, mulheres cujos filhos e filhas vêm se reunindo ali desde há muito ou pouco tempo.


O presidente da Turma OK, Alexandre Zeus, 
e a transformista Ingrid H.




O Blog Fora do Armário não podia deixar de parabenizar esse núcleo de socialização e entretenimento LGBT que resistiu a período tão duros quanto a ditadura e chegou aos nossos dias ainda colocando a cara no sol.



Da esquerda para a direita: 
Eduardo Michels, Andre Dias e Sergio Viula



Saiba mais sobre a turma OK no Facebook.





**************************




Do site da Turma OK:

Turma OK é o primeiro grupo LGBTQIAP+ de que se tem registro na história do Brasil. O coletivo Turma OK foi fundado oficialmente em 1962 na cidade do Rio de Janeiro, entrando em funcionamento sob a liderança de Agildo Bezerra Guimarães. No entanto, o grupo iniciou seus encontros (semanais ou bisemanais) já no ano anterior, precisamente em 13 de janeiro de 1961, no apartamento de Antônio Peres, no Edifício Varsóvia.

O nome do grupo, Turma OK, foi sugerido por Nylmar Amazonas Coelho após já haverem se congregado os seus fundadores—Antônio Peres, Maria Amélia, Nyhlmar Amazonas Coelho, Itamar Dias Soares, Lisandro de Matos Peixoto, Marlene Filardi, Leo Acyr Teixeira, Renê Patino, Djalma Alves de Souza e Francisco de Assis, e os cantores Osny José e Carlos Chagas—e a aprovação foi unânime.

O grupo Turma OK continua com as suas atividades até a atualidade, sendo uma das organizações de socialização LGBTQIAP+ mais antigas do Brasil e, mesmo, de todo o mundo. Adalberto Fonseca Filho voltou a assumir a direção desta histórica organização (reservada somente para membros e convidados) em 2006, sendo que Anuar Farah foi o diretor anterior, de 1998 a 2006.

Desde o início a organização Turma OK publicou o informativo Okeizinho.

Bezerra trabalhou como editor de várias publicações do Movimento Homossexual Brasileiro em sua cidade natal ao longo dos anos, permitindo-o a formar uma coleção rara de boletins e similares com temática gay, por exemplo, Snob (1963-1969, Darling (1968), Gente Gay (1976-1978), entre outros, como a Mini Enciclopédia Homossexual segundo Claudio Soares.

O arquivo Turma OK sendo preservado na UNICAMP foi doado à universidade por Agildo Bezerra Guimarães em 1995.

Comentários

  1. VIDA ETERNA PARA TURMA OK 59 ANOS!! ❤💛🧡💚💜💙🖤 A CASA DA DIVERSIDADE AMOROSA

    ResponderExcluir
  2. Que assim seja, Nanani. Obrigado pelo comentário carinhoso. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈