Postagem em destaque

Alguns equívocos do Moses

Imagem
Este post tem por objetivo refletir sobre algumas declarações de João Luiz Santolin, presidente do Moses, durante um seminário promovido pelo Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM) em parceria com o Instituto de Estudos da Religião (ISER), conforme publicado no livro "Religião e Sexualidade: Convicções e Responsabilidades, organizado por Emerson Giumbelli, publicado pela Editora Garamond, 2005 (ISBN 8576170604, 9788576170600). De acordo com Santolin, o Moses foi fundado em 1997. Ele está certo. Ele só não disse que isso aconteceu durante a Parada Gay celebrada no Rio de Janeiro, no referido ano. Também não disse que éramos três: Santolin, Liane França e eu (quem tiver dúvida, consulte o jornal O Globo, publicado no dia seguinte ao da passeata, pois nossos nomes estão lá no último parágrafo da matéria de cobertura da Parada Gay). Obviamente, ele não disse, devido ao constrangimento causado pela entrevista que dei em novembro de 2004 à revista Época, na qu

A vacina contra o HIV cada vez mais perto (Fiocruz)



Você pode clicar aqui também: 







Por Sergio Viula




Segundo a UNAIDS, a agência da ONU para a pesquisa e combate às infecções por HIV e tratamento de AIDS, "em todo o mundo, 37 milhões de pessoas vivem com HIV, o número mais alto da história, mas 25% dessas pessoas não sabem que vivem com o vírus."


Por isso, a testagem é fundamental. Quando o resultado é positivo, a pessoa é encaminhada para tratamento com retrovirais com objetivo de impedir o desenvolvimento da síndrome da imunodeficiência humana adquirida (AIDS). Lembrando que não há tratamento que elimine o vírus completamente do organismo até o presente momento, mas a medicação correta evita doenças e gera qualidade de vida para a pessoa HIV+. 


Tanto a busca por uma medicação que acabe com a infecção definitivamente quanto o desenvolvimento de uma vacina que previna o contágio são da mais fundamental importância. 


Nesse meio-tempo, graças aos retrovirais e às campanhas de prevenção, as mortes relacionadas à AIDS foram reduzidas em mais de 60% desde o pico em 2004, informa a UNAIDS. Mesmo assim, em 2019, cerca de 690.000 de pessoas morreram de doenças relacionadas à AIDS em todo o mundo, em comparação com 1,7 milhão em 2004 e 1,1 milhão em 2010.



COVID-19 E HIV


A UNAIDS alerta para um horizonte preocupante durante a pandemia deflagrada pelo Covid-19. Segundo, a agência, "modelagens estatísticas recentes estimam que uma interrupção completa de seis meses no tratamento do HIV pode levar a mais de 500.000 [471.000–673.000] mortes adicionais por doenças relacionadas à AIDS" no mundo todo, com alguns países sofrendo muito mais do que outros. 



Transmissão vertical (da gestante para o seu bebê)


A agência também informa que "se os serviços de prevenção da transmissão vertical do HIV fossem interrompidos por seis meses, o aumento estimado de novas infecções infantis pelo HIV seria de 162% no Malaui, 139% no Uganda, 106% no Zimbábue e 83% em Moçambique".




Você pode fazer a diferença










Por isso, a participação de voluntários para o desenvolvimento de uma vacina é tão urgente e importante. Se você deseja participar do trabalho que vem sendo realizado pela Fiocruz (tudo é feito com segurança e sigilo), basta se inscrever AQUI.




Mas não deixe de se prevenir. A própria Fiocruz dá as dicas:



Para evitar a transmissão da aids, recomenda-se o uso de preservativo durante as relações sexuais, a utilização de seringas e agulhas descartáveis e o uso de luvas para manipular feridas e líquidos corporais, bem como testar previamente sangue e hemoderivados para transfusão. Além disso, as mães infectadas pelo vírus (HIV-positivas) devem usar antirretrovirais durante a gestação para prevenir a transmissão vertical e evitar amamentar seus filhos.




 

Comentários

  1. Quando clico para me inscrever vai para um site de como abrir seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei porque isso está acontecendo. Testei aqui e só apareceu a caixinha para eu escrever meu email, que é por onde se recebem as notificações de publicação. Você clicou em inscrever-se lá do lado do nome do blog, certo? Se puder tentar novamente... ^^ Abração.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia

Humorista 'Picolina' é encontrada morta dentro de casa em Fortaleza