Postagem em destaque

Parada SP ao Vivo: Flashes do evento

Imagem
Pablo Vittar se apresentou na Parada de São Paulo ao Vivo A atração foi trazida pela TIM Por Sergio Viula A Parada da Diversidade de São Paulo cresce a cada ano, inclusive quando realizada virtualmente. De 2018, quando começaram as transmissões simultâneas com a parada na rua, trabalho realizado pela Dia Estúdio, liderada por Rafa Dias, até esse ano de pandemia (2021), o evento experimentou um crescimento estratosférico! Transmitido simultaneamente por 13 canais de peso e patrocinado por gigantes do mundo empresarial (Accor, Amstel, Avon, Bradesco, British Council, Burger King, Doritos, Jean Paul Gaultier, Mercado Livre, Smirnoff e TIM), o evento durou mais de 9 horas , começando às 14h de ontem (domingo). A line-up do evento contou com LINE UP: Alberto Pereira Jr., Bielo Pereira, Dindry Buck, Diva Depressão, Fefito, Gloria Groove, Jean Luca, Katu Mirim, Léo Viturinno, Lia Clark, Linn da Quebrada,  Lorelay Fox, Louie Ponto, Lucas Raniel, Majur, Mandy Candy, Marcia Pantera, Maria Gadú,

Ativistas gays exigem a libertação de 21 pessoas presas numa conferência LGBTQI





Por Sergio Viula

Com informações da CNN




Ativistas gays exigem a libertação de 21 pessoas presas numa conferência LGBTQI




Uma campanha online com a hashtag #ReleaseThe21 (Libertem os 21) viralizou no Twitter à medida que mais e mais pessoas demandaram a libertação dos participantes de uma conferência LGBTQI detidos em Gana, na África, na última quinta-feira.


Pelo menos 16 mulheres e quatro homens foram aprisionados pela polícia local depois que agentes invadiram o hotel onde a conferência LGBTQI estava sendo realizada.


Segundo a CNN, um porta-voz da polícia, o senhor Prince Dogbatse, declarou que os indivíduos detidos foram presos "defendendo atividade LGBTQI".


Um tribunal no distrito de Ho deliberou na sexta-feira que os 21 acusados permaneçam sob custódia policial por "associação ilegal" até seu comparecimento perante a corte em 4 de junho.


Gana considera ilegais os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo e o código penal prescreve entre três e 25 anos de cadeia para qualquer cidadão encontrado num relacionamento homoafetivo.


Alex Kofi Donkor, o diretor de um centro comunitário em Acra, chamado "LGBT+ Rights Ghana" (Direitos LGBT+ em Ghana) disse o seguinte à CNN:


"Pessoas LGBTQ continuamente experimentam prisão indicriminadamente e discriminação em Gana por causa de sua conhecida ou percebida orientação sexual... então, algumas organizações decidiram treinar alguns indivíduos de várias localidades em leis relacionadas a direitos humanos que existem em Gana e em como eles podem proteger a si mesmos e lidar com questões de abuso quando elas ocorrerem em suas localidades."


O ativista espera que a campanha #ReleaseThe21 aumente a discussão pública sobre tolerância e respeito aos direitos gays em Gana.



COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO


Já passou da hora de banir toda e qualquer lei que discrimine pessoas com base em sua orientação sexual ou identidade gênero no mundo. A comunidade internacional não pode ignorar tais violações de direitos fundamentais. Diga NÃO à LGBTfobia. Diga si
m ao #ReleaseThe21.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈