Postagem em destaque

Mãe de Paulo Gustavo faz 74 anos e fala com Ana Maria Braga

Imagem
17 de setembro de 2021 Por Sergio Viula Interrompendo aqui a nossa série sobre religião e diversidade sexual, gostaria de incentivar você a assistir essa entrevista maravilhosa feita por Ana Maria Braga com Dona Déa Lúcia, a mãe do querido Paulo Gustavo, falecido há quatro meses. Hoje, é aniversário dela - 74 anos - e Dona Déa deu um show de amor e de sabedoria durante toda a entrevista. Você vai se emocionar, aprender, crescer e se tornar melhor como ser humano se aplicar o que ela falou aqui sobre uma das coisas mais importantes para o indivíduo - a família, especialmente quando se trata de filho ou filha LGBT+. Não deixe de ver. É logo no começo do programa. Depois que a Ana Maria faz a abertura com suas mensagens típicas de encorajamento, ela já passa para a abertura da entrevista com cenas de Paulo Gustavo trabalhando como Dona Hermínia. Imperdível! Assista aqui:  https://globoplay.globo.com/v/9867337/programa/?s=0s Parabéns pelo seu aniversário e pela mulher fantástica que você é

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Luiz Eduardo Neves Peret - falecido em maio de 2021



Por Sergio Viula


Luiz Eduardo Neves Peret, mais conhecido como Eduardo Peret, foi embora cedo demais. Há apenas quatro dias, ele fez sua última postagem no Facebook. Costumava se apresentar como "jornalista, escritor, ativista social e amante de gatos. Não necessariamente nesse ordem." Essa bio, traduzida aqui para o português, consta no portal Academia, onde ele tem os seguintes artigos publicados. 

Queer Shakespeare: transgressão, sexualidade e identidades de gênero na obra do Bardo

O Bardo e o Imperador: O olhar de Kurosawa sobre Shakespeare em "Trono Manchado de Sangue"

Não foram os únicos que ele escreveu.


Eduardo e sua vida acadêmica


Peret fez sua graduação e seu mestrado na UERJ, tendo conlcuído a primeira em 1997 e o segundo em 2005 - ambos em Comunicação Social.

Sua dissertação, intitulada Do armário à tela global : a representação social da homossexualidade na telenovela brasileira, visava a identificar e estudar a representação da homossexualidade na teledramaturgia brasileira. 


Eduardo fez doutorado em Sociologia pelo IFCS (Instituto de Filosofia e Ciências Socias) da UFRJ. Defendeu sua tese no ano passado (2020). O título de sua tese é: Estatísticas, visibilidade e cidadania: um retrato do casamento entre cônjuges do mesmo sexo no Brasil à luz das estatísticas do IBGE (2013-2017).

Participou de vários congressos e de outros eventos divulgando suas pesquisas. 





Seu trabalho


Eduardo trabalhava em sua área de formação na Agência de Notícias IBGE. Seu nome ainda consta no site da Agência IBGE de Notícias como editor de audiovisual. 







Eduardo e seus gatos


Os gatos eram sua companhia preferida. Eduardo estava sempre cercado por seus gatos. Entre um cafuné e outro, engajava-se na defesa de pautas inclusivas e de políticas afirmativas. Divulgou muito os protocolos de prevenção à Covid-19, tais como isolamento social e uso de máscaras quando em contato com outras pessoas. Infelizmente, segundo amigos, faleceu de um mal súbito, provavelmente uma parada cardíaca. 

Sergio Peret, irmão de Eduardo, publicou em seu perfil o seguinte sobre o falecimento do nosso querido amigo:



Sergio Peret acrescentou a seguinte postagem para expressar seu luto em seu perfil do Facebook:






Bem-humorado, ainda no dia 15 de maio, portanto, apenas quatro dias antes dessa postagem, ele satirizava a situação do povo brasileiro sob o governo do genocida que preside o país hoje (foto abaixo). Infelizmente, não viveu o suficiente para ver esse ciclo de horrores chegar ao fim.




A comunidade LGBT, especialmente a comunidade gay, perde muito quando pessoas como Eduardo Peret se vão. O Brasil, como um todo, perde muito, pois não temos humanistas em estoque suficiente para ficarmos perdendo tantos pelo caminho. E ninguém jamais será substituído. Cada um é único. Dói ainda mais quando a vida é interrompida tão cedo, como foi o caso do querido Eduardo Peret.

Eduardo e um de seus gatos.

Eduardo nasceu, viveu e morreu na cidade do Rio de Janeiro.



*****************

P.S.: A irmã de Eduardo viu essa postagem e o carinho dos amigos por ele e escreveu o seguinte comentário no Facebook logo abaixo dessa publicação.

Denise Neves Peret
Gostaria de agradecer o carinho de todos nessa hora triste. É muito bom ver como o meu irmão é querido de tantos amigos.

Comentários

  1. Obrigado pela merecida homenagem ao meu irmão. O Dudu era meu caçula e meu ídolo. Inteligente, irreverente, carismático, sempre bem humorado, carinhoso, um grande amigo. Ele nos levou para o "lado gateiro da força", me inspirou a trabalhar com a proteção animal, resgatando e adotando esses animais magníficos. Por conta disso, tenho 12 filhos felinos. Nossa irmã tem outros 8, mesma quantidade que ele. E penso muito nos dele, pois, embora digam que gatos são "independentes, só gostam da casa, não ligam para ninguém", hoje sabemos que tudo isso é "intriga da oposição". Gatos se apegam demais à família humana. Os do Eduardo vão sofrer muito pela sua ausência. Se está difícil para a gente, imagina para eles, que o esperavam chegar da rua, disputavam seu colo, sua atenção. O mundo não será o mesmo sem Eduardo Peret. E pensar que o meu foi o último beijo que ele recebeu em vida. Se eu pudesse prever, o teria beijado e abraçado muito mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que linda memsagem! Muito obrigado pelo carinho, especialmente num momento como esse. Você tem razão. Os bichinhos sabem que são amados e retibuem. Que bom que você pode beijá-lo antes dele partir, mesmo sem saber que esse seria o último. Isso tem um significado tremendo. Ele certamente amava ser amado assim e certamente amava você ainda mais por isso mesmo. Um beijão pra ti.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈