Postagem em destaque

15 dias com Clara - essa fofura de 1 ano e 45 dias

Imagem
Por Sergio Viula Clara: Segundo dia de nascimento e com os olhinhos abertos Minha filha e meu genro haviam se tornado pais somente um ano e 45 dias antes de nos visitarem. Apesar da distância, acompanhamos tudo o que podíamos, graças às tecnologias da comunicação. Testemunhamos os nove meses de gravidez, a internação para o parto - que acabou sendo cesariana depois de muita espera e pouca dilatação -, o nascimento, o crescimento daquela bebezinha linda, que chegou mudando a vida de todos nós de muitas maneiras diferentes, e os primeiros passeios, a primeira viagem a uma cidade próxima (Évora) e os muitos dias que ela já passou na creche, aprendendo muitas coisas fantásticas de modo lúdico e com muito carinho das tias cuidadoras e educadoras. A tia da creche fazendo cookies com eles. Depois, todos comeram essas delícias feitas colaborativamente. Um video que eu fiz com fotos do Halloween na creche. Ela é a bruxinha mais fofa, concorda? Quem já segue esse blog há um tempo sabe que chegue

Marcelo Sievers, um apaixonado por livros comenta












Opinião de Marcelo Sievers - via Facebook





Luxo no lixo também é cultura

[Sobre "O homem que amava mendigos"]





Joãozinho Trinta estava certo. Pobre gosta de luxo, e quem gosta de pobreza é intelectual. O livro de Sergio Viula é um conto de fadas, seja pelo amor improvável (para não dizer impossível) que ele nos conta, com seus momentos de reviravolta, para apimentar mais a leitura.

O tema não é dos mais simples, e, aos olhos do leitor mediano, o que levaria um homem rico, estudado, bom vivant, ter interesse por mendigos? Contudo, o livro é muito feliz ao desmascarar as verdadeiras misérias humanas, que são aquelas nos colocam como marionetes de luxo, dotadas de neurônios. Afinal “a caridade pode ser a máscara mais cruel de uma sociedade hipócrita e cheia de aproveitadores. Administrar a miséria dá lucro”.

Finalmente, encerro essa resenha com uma citação que pode ser a grande reflexão que o autor traz em suas três obras, e que vale a pena que cada um possa levar consigo, independente da categoria social em que esteja inserido: “A vida pode ser mais divertida quando a gente se torna dono de si mesmo e passa a amar os outros com o amor que aprendemos a dedicar a nós mesmos”.





-------------------------------------------------- 
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO 


Obrigado pelo carinho da resenha, Marcelo. Ser lido é muito bom, mas ser comentado depois de lido é melhor ainda. Espero que muitas pessoas possam ser inspiradas sempre que esbarrarem em histórias que falem de amor e superação. 


Obrigado por ter lido "Em busca de mim mesmo", "Crônicas de um casamento duplamente gay" e "O homem que amava mendigos". Você é um leitor espetacular. 


Grande abraço, 


Sergio Viula 
Autor das referidas obras e blogueiro "Fora do Armário". :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Dia Internacional do Orgulho LGBT: Importantes apontamentos

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia