Postagem em destaque

Paula, uma pessoa intersexo

Imagem
  Por Sergio Viula Decidi resgatar uma experiência que eu tive em 12/02/2103, na cidade de Fortaleza, CE.  Essa experiência de troca humana fantástica aconteceu na Praia do Futuro, que é pontilhada por barracas em estilo de choupanas. Tomei uns belos  drinks  (lembram?) e comi muqueca de arraia com um acompanhamento de arroz, maionese, batata frita e farofa - tudo simples, mas super gostosinho. O melhor de tudo porém, foi ter conhecido Paula.  Assim que cheguei, percebi que Paula era uma mulher especial, apesar de todas as mulheres terem algo de especial por natureza. Mas, Paula chamava atenção por ter alguns traços masculinos. De início, pensei que ela fosse uma mulher transexual em processo de feminização. Decidi seguir o caminho mais seguro para descobrir como ela se identificava - perguntei qual era o seu nome. Assim, ela poderia indicar se preferia ser tratada no feminino, como eu imaginava. Ela me disse que se chamava Paula.  Acontece que Paula  não  é transexual. De forma absolu

Marcelo Sievers, um apaixonado por livros comenta












Opinião de Marcelo Sievers - via Facebook





Luxo no lixo também é cultura

[Sobre "O homem que amava mendigos"]





Joãozinho Trinta estava certo. Pobre gosta de luxo, e quem gosta de pobreza é intelectual. O livro de Sergio Viula é um conto de fadas, seja pelo amor improvável (para não dizer impossível) que ele nos conta, com seus momentos de reviravolta, para apimentar mais a leitura.

O tema não é dos mais simples, e, aos olhos do leitor mediano, o que levaria um homem rico, estudado, bom vivant, ter interesse por mendigos? Contudo, o livro é muito feliz ao desmascarar as verdadeiras misérias humanas, que são aquelas nos colocam como marionetes de luxo, dotadas de neurônios. Afinal “a caridade pode ser a máscara mais cruel de uma sociedade hipócrita e cheia de aproveitadores. Administrar a miséria dá lucro”.

Finalmente, encerro essa resenha com uma citação que pode ser a grande reflexão que o autor traz em suas três obras, e que vale a pena que cada um possa levar consigo, independente da categoria social em que esteja inserido: “A vida pode ser mais divertida quando a gente se torna dono de si mesmo e passa a amar os outros com o amor que aprendemos a dedicar a nós mesmos”.





-------------------------------------------------- 
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO 


Obrigado pelo carinho da resenha, Marcelo. Ser lido é muito bom, mas ser comentado depois de lido é melhor ainda. Espero que muitas pessoas possam ser inspiradas sempre que esbarrarem em histórias que falem de amor e superação. 


Obrigado por ter lido "Em busca de mim mesmo", "Crônicas de um casamento duplamente gay" e "O homem que amava mendigos". Você é um leitor espetacular. 


Grande abraço, 


Sergio Viula 
Autor das referidas obras e blogueiro "Fora do Armário". :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia

Júlio Severo, um lobo em pele de cordeiro (escrito por um cristão)