Postagem em destaque

Heartstopper: Uma série que inspira e encanta

Imagem
Kit Connor e Joe Locke fazem o papel de Nick Nelson e Charlie Spring,  respectivamente, em Heartstopper. (Netflix) Por Sergio Viula Com informações do portal Pink News Já se passaram seis anos desde que Alice Oseman escreveu sua webcomic (quadrinhos para a Internet). Os quadrinhos foram muitíssimo bem recebidos. Agora, Heartstopper chega à Netflix e já figura entre os produtos mais assistidos do streaming. Heartstopper conta a história de Charlie (Joe Locke), um adolescente gay que vive completamente fora do armário, e que se apaixona por Nick (Kit Connor), um jogador de rugby em sua escola. Charlie é gay. Nick é bissexual. Elle é transexual negra e apaixonada por Tao Xu, que é asiático-americano. Tara e Darcy são duas garotas cisgêneras e formam um casal interracial. E, por fim, existe o Ben, que é gay enrustido e mal resolvido, mas vive dando em cima de Charlie em segredo. Eu assisti tudo nesse feriado de Tiradentes e adorei! Assista a série aqui: HEARTSOPPER - NETFLIX . Trailer ofic

Marcelo Sievers, um apaixonado por livros comenta












Opinião de Marcelo Sievers - via Facebook





Luxo no lixo também é cultura

[Sobre "O homem que amava mendigos"]





Joãozinho Trinta estava certo. Pobre gosta de luxo, e quem gosta de pobreza é intelectual. O livro de Sergio Viula é um conto de fadas, seja pelo amor improvável (para não dizer impossível) que ele nos conta, com seus momentos de reviravolta, para apimentar mais a leitura.

O tema não é dos mais simples, e, aos olhos do leitor mediano, o que levaria um homem rico, estudado, bom vivant, ter interesse por mendigos? Contudo, o livro é muito feliz ao desmascarar as verdadeiras misérias humanas, que são aquelas nos colocam como marionetes de luxo, dotadas de neurônios. Afinal “a caridade pode ser a máscara mais cruel de uma sociedade hipócrita e cheia de aproveitadores. Administrar a miséria dá lucro”.

Finalmente, encerro essa resenha com uma citação que pode ser a grande reflexão que o autor traz em suas três obras, e que vale a pena que cada um possa levar consigo, independente da categoria social em que esteja inserido: “A vida pode ser mais divertida quando a gente se torna dono de si mesmo e passa a amar os outros com o amor que aprendemos a dedicar a nós mesmos”.





-------------------------------------------------- 
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO 


Obrigado pelo carinho da resenha, Marcelo. Ser lido é muito bom, mas ser comentado depois de lido é melhor ainda. Espero que muitas pessoas possam ser inspiradas sempre que esbarrarem em histórias que falem de amor e superação. 


Obrigado por ter lido "Em busca de mim mesmo", "Crônicas de um casamento duplamente gay" e "O homem que amava mendigos". Você é um leitor espetacular. 


Grande abraço, 


Sergio Viula 
Autor das referidas obras e blogueiro "Fora do Armário". :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia