Postagem em destaque

Parada SP ao Vivo: Flashes do evento

Imagem
Pablo Vittar se apresentou na Parada de São Paulo ao Vivo A atração foi trazida pela TIM Por Sergio Viula A Parada da Diversidade de São Paulo cresce a cada ano, inclusive quando realizada virtualmente. De 2018, quando começaram as transmissões simultâneas com a parada na rua, trabalho realizado pela Dia Estúdio, liderada por Rafa Dias, até esse ano de pandemia (2021), o evento experimentou um crescimento estratosférico! Transmitido simultaneamente por 13 canais de peso e patrocinado por gigantes do mundo empresarial (Accor, Amstel, Avon, Bradesco, British Council, Burger King, Doritos, Jean Paul Gaultier, Mercado Livre, Smirnoff e TIM), o evento durou mais de 9 horas , começando às 14h de ontem (domingo). A line-up do evento contou com LINE UP: Alberto Pereira Jr., Bielo Pereira, Dindry Buck, Diva Depressão, Fefito, Gloria Groove, Jean Luca, Katu Mirim, Léo Viturinno, Lia Clark, Linn da Quebrada,  Lorelay Fox, Louie Ponto, Lucas Raniel, Majur, Mandy Candy, Marcia Pantera, Maria Gadú,

Os nâo recomendados: A violência contra a população LGBT em Sergipe


Baixe o PDF grátis para ler como e-book aqui: 



ATUALIZAÇÃO: O livro impresso está esgotado. Por isso, a opção compra não está funcionando no site.

A obra ‘Os Não Recomendados – A Violência Contra a População LGBT em Sergipe’, autoria de Moisés Santos de Menezes, dá visibilidade à violência contra a população LGBT de Sergipe. O livro traz à tona o universo do movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis – LGBT (sendo atualmente LGBTQ+), que são descriminados, marginalizados e violentados dentro do Estado sergipano.  

Moisés revela uma dificuldade para realizar sua pesquisa que diz muito sobre a academia:  "De 20 professores selecionados nenhum abraçou a minha escolha. E isso me motivou ainda mais a insistir na tese.”

Além disso, ele também enfrentou dificuldades na coleta dos dados, uma vez que o governo não produz estatísticas sobre a violência contra esse segmento populacional. “Fui de encontro a movimentos sociais em busca dessas vítimas, para assim conseguir levantar esses dados. Foi uma pesquisa de “formiguinha”.”, disse Moisés.

Ricardo Roriz, presidente da Empresa de Serviços Gráficos de Sergipe – Segrase destacou a importância de trazer esse tema para a população. Principalmente nos moldes atuais. “A sociedade brasileira vive hoje uma grande ruptura de conceitos tortos que existiam antigamente. É preciso debater, conhecer, respeitar, aceitar e atuar com medidas públicas que tragam segurança para esse grupo que vive em constante ameaça de pessoas preconceituosas. A contribuição de Moisés com a abordagem desse tema é de suma importância para quebrar paradigmas que ainda são motivos de uma guerra social”, ressaltou Ricardo Roriz.

Todo o livro é pensado de forma cautelosa para compor a representatividade e explicação aos leitores. Desde a preocupação em ater-se a conceitos, trabalhar as nomenclaturas e a trazer dados específicos que mostrem a verdadeira realidade da violência sofrida contra o grupo LGBT. Neste livro, a voz de Moisés é a voz de representação de uma multidão que não pode ser excluída apenas por causa da sua orientação sexual.

Sobre o autor

O autor, Moisés Menezes, é doutorando em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC/RIO, mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal de Sergipe – UFS e Bacharel em Serviço Social pela Faculdade José Augusto Vieira – FJAV.


------------------------------------------------------
Fonte (com adpatações por Sergio Viula para esse post):
https://a8se.com/entretenimento/noticia/2018/09/145495-a-violencia-dentro-do-ambito-lgbt-em-sergipe-e-tema-de-nova-obra-publicada-pela-edise.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈