Postagem em destaque

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E SEXODIVERSIDADE

Imagem
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E SEXODIVERSIDADE Por Sergio Viula Fundada por Charles Taze Russell em XXXXX, a religião conhecida como Testemunhas de Jeová é uma das mais totalitárias do mundo. Confundida por muitos com as igrejas evangélicas, a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, ligada ao Corpo Governante contava com mais de oito milhões e duzentos mil membros. No Brasil, são pouco mais que 700 mil seguidores e 11.562 Salões do Reino das Testemunhas de Jeová (seus templos) no mundo todo. Esses números são de 2014, ultima contagem publicada até o momento desse artigo. Entre suas crenças mais conhecidas e repudiadas estão a de não doar e nem receber sangue sob hipótese alguma e a de não participar da vida cívica do país em que estejam inseridas. Porem, muitas outras crenças são estranhas à maioria das comunidades ditas cristãs. As Testemunhas de Jeová não se consideram ‘evangélicas’ quando termo é aplicado a igrejas protestantes mais recentes e pentecostais, mas gostam de se denomina

"Meu nome é Jacque", mas poderia ser "Meu nome é coragem"

Meu Nome é Jacque (história real) - um filme de Angela Zoé


Siga o grupo no Facebook.
Clique aqui:



E-mail: cineclubelgbt@gmail.com
Twitter: http://www.twitter.com/cineclubelgbt

Foi no dia 15 de abril. às 20:30. O belíssimo cinema Odeon, na Cinelândia, abriu as portas para o lançamento do filme Meu nome é Jacque, produzido por Angela Zoé.

Chamei meu amor (André) e duas das minhas meninas mais queridas (Kátia e Ismênia) para vermos o filme. Ficamos mais do que tocados com a história de Jacqueline. Ficamos emocionados, fomos inspirados e confrontados com a capacidade de superação que uma mulher como ela precisou desenvolver para chegar onde chegou. E que caminhada!

André, Sergio, Kátia e Ismênia

Ao final do filme, seus irmãos e marido estavam lá para conversar com o público. Foi um momento inesquecível!

Foto: Pedrou Myguel Vieira

Cinema lotado, imprensa na porta, produtores absolutamente realizados, e Jacqueline com seus familiares vendo o filme pela primeira vez conosco - a plateia sortuda que pôde assistir essa história linda e muito bem contada. 

A plateia aplaudiu de pé e por tempo muito mais longo do que a média. E a cada fala, outra rodada de aplausos efusivos. Emoção indescritível! 

O trailer do filme pode ser visto aqui:





Foi o primeiro CineclubeLGBT do ano, mas já deu o recado. Agora, estamos ansiosos para vermos os próximos. 

Depois do filme, motivados pela música do DJ Great Guy (Rapahael Alves Ribeiro), decidimos esticar para a TVBAR, uma boate em estilo vintage que adoramos! Fica em Copacabana, no mesmo quarteirão do Hotel Sofitel, só que na parte de trás do quarteirão, em frente ao ponto final do ônibus 457.

TVBAR depois do Odeon


Katia, Ismênia, Sergio e André - TVBAR


SINOPSE:

Meu Nome é Jacque conta a história da ativista Jacqueline Rocha Côrtes, mulher transexual e militante para pessoas soropositivas. Portadora do vírus HIV há 21 anos, sua jornada é marcada por desafios e conquistas, como seu papel de representante do governo brasileiro na Organização das Nações Unidas. A partir de sua trajetória, o filme aborda questões como diversidade e o preconceito.

A belíssima drag queen Salomé Zainabu também esteve presente, embelezando ainda mais a cena LGBT nas dependências do Odeon.


MEU NOME E JACQUE_Still 06_Jacqueline Rocha Cortes_Casa
Brasil, cor, 2016, 72 min, 12 anos: Meu Nome é Jacque - produzido por Angela Zoé

Meu nome é Jacque é uma coprodução da Documenta Filmes, Globo Filmes e Globonews, com patrocínio da UNAIDS, do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, da ONU Mulheres e da ANCINE. O filme estreia na Globonews no dia 7 de maio de 2016.



Comentários

  1. Adorei o documentário! Foi emocionante. É uma história de viva que quebra tabus, rompe preconceitos e ainda traz muito conhecimento sobre questões de gênero e transexualidade. Todos deveriam assistir.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈