Postagem em destaque

Sobre "curas" e "terapias" para "correção" da orientação sexual e da identidade de gênero de pessoas LGBTI+ no Brasil

Imagem
  Por Sergio Viula Hoje, dia 30/06/21, recebi da All Out um convite para ler um relatório de pesquisa sobre as chamadas "terapias de conversão" (a famigerada "cura gay"). Esse trabalho é de um valor imenso, pois essas terapias são uma verdadeira violência contra a psiquê das vítimas. O relatório completo pode ser acessado aqui:  https://s3.amazonaws.com/s3.allout.org/images/All_Out_Instituto_Matizes_Relatorio_Completo_Entre_Curas_E_Terapias.pdf  Também na data de hoje, foi feito um painel com as pessoas que organizaram o relatório. Esse painel pode ser assistido aqui:  https://www.youtube.com/watch?v=DvGhjGrVKyE Não deixe de acessar essas informações. Elas são fundamentais para que a nossa capacitação e empoderamento contra essa série de violências contra a pessoa LGBT+, especialmente na infância e na adolescência.

LGBT no BBB 2022

 Por Sergio Viula


Você pode amar, odiar ou ser indiferente ao Big Brother Brasil (BBB), mas o que ninguém consegue é ficar totalmente alienado das tretas que explodem mais cedo ou mais tarde na casa mais vigiada do Brasil. 

No ano passado, comemoramos a presença de muitos participantes negros no BBB. Porém, logo ficou nítido que a quantidade perdia a importância diante da qualidade dos comportamentos e das falas de alguns dos participantes. Karol Conka, Nego Di, Projota  e Lumena fizeram brasileiros de todas as cores se revoltarem em suas poltronas por causa de várias posturas reprováveis, especialmente pelo modo como agiram com outro negro - o jovem Lucas Penteado. O massacre psicológico feito contra o rapaz foi tão truculento que culminou em sua saída "voluntária" do programa. 

Curiosamente, a gota d'água para Lucas foi a incompreensão de alguns dos participantes a respeito do beijo que ele e Gil - outro homem negro - trocaram durante uma festa na casa. As pessoas que mais o caluniaram por essa troca de afeto eram justamente aquelas que alegadamente lutam contra o preconceito e a discriminação através de sua atuação artística. Muito papo furado e pouca ação realmente afirmativa ou inclusiva.

Esse ano, a comunidade LGBT tem CINCO membros na casa do BBB. Muitos já comemoram, porém a questão que fica é: Serão todos eles gente que vai nos representar tão apropriadamente quanto outros quatro participantes negros da edição passada? Cito os quatro que fizeram alguma diferença realmente positiva em 2021: A influencer Camilla de Lucas, o professor de geografia  João Luiz, a cantora de funk Pocah, e o doutorando em economia Gil? 

O tempo dirá...


Você sabe quem são os cinco participantes LGBT do BBB 2022?


Bissexual


Lésbica


Trans


Gay


Gay



Saiba mais sobre esses e outros participantes aqui: G1 - Participants do BBB 2022.

É muito bom ver pessoas LGBT ocupando espaços de visibilidade, mas tão importante quanto a visibilidade que essas pessoas conquistam é o que elas oferecem depois de captarem a atenção do público. Serão 100 dias de duração. Cem dias que podem nos fazer rir ou chorar por bons motivos ou corar de vergonha e de raiva por causa do estrago.

Quem viver, verá. 



Comentários

  1. Eu torço para que sim! Torço que a grana vá para esta comunidade que tem poucas chances nesta sociedade patriarcal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio, Eloah. 🙏💜💜💜

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈