Postagem em destaque

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈

Imagem
Por Sergio Viula 1º DIA: 07/03/2021 Às vesperas do Dia Internacional da Mulher, minha filha me deu uma notícia que merece celebração e exige cuidados ao mesmo tempo.  Acordei por volta das nove horas da manhã com mensagens entrando, uma após a outra, no meu Instagram. Antes mesmo de ir ao banheiro fazer a higiene matutina, abri o comunicador e li o seguinte: "Você vai ser avô, mas ainda é segredo. Só conta para os meus pais e para o Isaac." A razão do segredo é que o teste para gravidez que ela havia feito era aqueles que se compram em farmácias. Ela queria contar para outras pessoas só depois do exame de sangue, que dá um resulado mais seguro. Claro que eu fiquei feliz e preocupado ao mesmo tempo. Daí, a frase que abriu esse diário lá em cima. É bom saber que Larissa e Vitor estão felizes com a perspectiva da maternidade e da paternidade. Por outro lado, ter um filho não é tão simples quanto muita gente imagina e nem como alguns pais e algumas mães tendem a falar sobre esse

ENTREVISTA: Uma família homoparental que vai inspirar você!

Por Sergio Viula

OBS: As fotos desse post foram cedidas 
pelo casal para este post, exclusivamente.

Daniel Poubel, à esquerda, e Lucio Bragança.




Faz algum tempo que esse casal querido, formado por Lúcio Bragança e Daniel Poubel, acompanha o Blog Fora do Armário. Mas o contrário também é verdade - este blogueiro acompanha as postagens deles no Facebook e sempre se encantou com o modo como eles construíram uma linda família.

Por isso, perguntei ao casal se eles topariam dar uma entrevista para o Blog Fora do Armário. E para a nossa alegria (^^), eles toparam. O que você vai ler abaixo é fruto dessa conversa por e-mail.

A entrevista e as fotos foram autorizadas pelo casal para publicação exclusiva aqui no Blog Fora do Armário. Por favor, não as reproduza sem autorização deles, mas fique à vontade para compartilhar o link dessa linda história.

Lucio Bragança tem 34 anos e Daniel Poubel, 30. Eles são originários de MUQUI - ES, mas trabalham em outra cidade como professores. 



Fora do Armário: Como foi que vocês se conheceram e quando decidiram se casar? As famílias de vocês já sabiam que vocês eram homoafetivos? 

LUCIO:
Daniel e eu nos conhecemos desde pequenos, fomos vizinhos em nosso bairro, o tempo passou e tomamos caminhos diversos, porém em determinados momentos nos encontrávamos em algumas situações, porém nunca namoramos antes. Eu tive um relacionamento heteroafetivo e desse relacionamento surgiu os dois filhos que estão conosco. Fiquei viúvo e poucos anos depois reencontrei Daniel, e então resolvemos ter um relacionamento e assumir nossa homossexualidade. As famílias não sabiam de nossa homossexualidade, assumimos a nossa “nova vida” e enfrentamos os desafios e as consequências juntos.


DANIEL:
Nosso amor é antigo, desde criança nos víamos, mas nunca tivemos a oportunidade de conversar. Algo dentro de mim se revirava quando o via. Na adolescência, então, com a descoberta velada de minha orientação sexual, percebi que era apaixonado por ele. Contudo, a vida nos fez tomar caminhos diferentes e por um longo período não nos vimos mais. Quando de uma oportunidade única, tive a chance de reencontrá–lo e fui à conquista. Estamos juntos há 9 anos, sendo 4 anos casados oficialmente como o primeiro casamento civil de nossa cidade atual. Em relação aos parentes, eles souberam de nossa sexualidade e namoro ao mesmo tempo, digo que além de nos descobrirmos juntos, também estreamos juntos (rsrs). No início foi complicado, mas com o passar do tempo as coisas foram se organizando e a vivência de nossa FAMÍLIA superou, pelos menos em parte, o preconceito dos PARENTES. 



Fora do Armário: Quando decidiram ter filhos? Como vieram a ter dois? 

LUCIO: Como respondi anteriormente, quando assumimos nosso relacionamento, eu já era pai de dois filhos - filhos, que juntos, desde o início, compuseram nossa família.

DANIEL: Sempre sonhei em ser pai, e quando a oportunidade de casar com Lucio surgiu, o pacote veio completo. Adorei. Casei com o amor da minha vida e tive a oportunidade de ser pai de gêmeos.



Fora do Armário: Falem mais sobre os filhos. 

LUCIO:
Quando fomos morar juntos, os meninos (filhos) tinham 5 anos. E resolvemos, depois de alguns meses morando juntos, assumir para os filhos de forma simples o nosso modelo de família. Não houve segredo, uma vez que na convivência eles percebiam que o amor, o afeto, o carinho e a responsabilidade eram oferecidos a eles, e não era diferente, ou seja, o sexo dos componentes do casal não fazia diferença na relação familiar. Para eles que convivem em um ambiente familiar livre de estereótipos e preconceitos, não foi construída a ideia de que o casal homoafetivo é imperfeito, igual ao que determinados discursos tentam propagar. A nossa relação sempre foi aberta com eles, sabem de tudo, em relação a nosso modo de vida e a sua história.

DANIEL: Em nosso seio familiar, tentamos ao máximo esclarecer tudo que é possível, mas a questão de família é algo natural, vivido no dia-a-dia. Se alguém perguntar aos nossos filhos o que é uma família, eles responderão que é amor. Tudo é tão tranquilo e as pessoas que questionam chegam tão impressionadas que apenas digo: “somos uma família como qualquer outra, eu sou o Pai e ele o Papai (assim que nossos filhos nos chamam), amamos, cuidamos, educamos e pronto.” 



Fora do Armário: Como vocês descreveriam a experiência de paternidade? Quais foram os maiores desafios e as maiores alegrias até o presente momento?

LUCIO: A experiência da paternidade é maravilhosa, digo que foi algo que de melhor aconteceu em minha vida, muitos altos e baixos, muitos desafios, mas é tudo muito motivador. Os maiores desafios foram nos primeiros anos, quando passamos em um concurso público e tivemos que nos mudar e começar do zero, em uma cidade onde não tínhamos ninguém para nos auxiliar em nenhuma situação, então tivemos que abrir mão de muita coisa pessoal em função da dedicação integral à família. O maior orgulho é o carinho deles como filhos, e a resposta vem da escola, onde são os melhores alunos (boletim nota máxima em todas as disciplinas) em rendimento e comportamento, elogiados e respeitados por todos da escola, e todos sabem que são integrantes de uma família homoafetiva, porque desde a matrícula fomos à escola e apresentamos a situação, e exigimos respeito e tratamento digno, igual ao oferecido a todos os alunos e às outras família. Nós como pais somos muito elogiados pelos professores e equipe gestora da escola onde estudam, pois eles são referência no ambiente escolar e o nosso orgulho é que por meio deles, em uma manifestação silenciosa, todo o discurso de ódio proferido em relação à adoção por casais homoafetivos cai por terra.

DANIEL: Como sempre tive essa vontade de constituir uma família, não vi um grande desafio, mas sim um grande aprendizado. Como Lúcio disse, abrimos mão de muitas coisas que um casal jovem faria normalmente, para poder cuidar dos meninos, porém em momento algum me arrependo disso, pelo contrário, digo sempre que quando saímos para passear ou fazer qualquer outra coisa sem os nossos filhos, nos sentimos como se faltasse algo, ficamos incomodados, não nos sentimos completos. Mas quando estamos com eles, nos divertimos muito. Eles são motivo de muito orgulho - carinhosos e inteligentes, sempre são muito elogiados por nossos amigos e profissionais da escola. 



Fora do Armário: Que traços de personalidade vocês destacariam como os mais positivos em cada um dos filhos?
LUCIO: O carinho, o respeito, a amizade, o companheirismo e a gratidão.

DANIEL: Ao mesmo tempo que são muito parecidos, também são únicos em suas personalidades. Ambos são extremamente carinhosos e preocupados com o bem-estar de quem eles gostam, e talvez por vivenciarem nossas lutas diárias em prol de uma vida mais justa e uma sociedade menos preconceituosa, percebo neles um senso crítico muito grande. 



Fora do Armário: O que mais mudou na relação do casal depois dos filhos chegarem?

LUCIO: Nossa vida foi muito diferente da vida das famílias dos amigos, porque vivemos quase em função deles nestes últimos anos pelo compromisso que assumimos e pelo prazer em estarmos presentes com eles durante parte do dia. Optamos por trabalhar em um turno como professores, e dessa forma pudemos dar a eles muitos momentos de companheirismo. Sabemos que essa fase é passageira - em breve estarão estudando em escola integral e em faculdade, e, depois, vão seguir a suas vidas, se preferirem em outros lugares, então tentamos aproveitar ao máximo o tempo juntos.
DANIEL: Nos tornamos mais companheiros, mais unidos, mais cúmplices. Depois que constituímos nossa família, só tivemos nós dois um pelo outro, por eles e para eles. Isso nos uniu muito e nos fez superar muitos desafios. 



Fora do Armário: As crianças demonstram alegria por terem pais tão carinhosos como vocês?

LUCIO: A alegria deles é visível, no carinho, no dia dos pais fazem cartas e desenhos maravilhosos para a gente, selecionam filmes e séries para assistirmos juntos, são excelentes companheiros.

DANIEL: Digo que eles são um grude, e quando é um dia de muito trabalho e chego tarde em casa, eles fazem questão de exigir atenção, mesmo que seja sentar comigo no sofá e ver um filme, ou andar atrás de mim naquela correria do horário de almoço pra contar o que aconteceu na escola naquele dia. 



Fora do Armário: Existe alguma demonstração que foi muito especial para vocês?

LUCIO: Todos os dias são feitos de pequenas demonstrações - a mesa de café da manhã preparada, ser acordado ao som do “parabéns para você” na flauta, a medalha recebida como premiação no campeonato de xadrez, a chegada da escola com afobações e novidades, o simples fato de cobri-los em noites frias ou até mesmo de vistoriar o quarto a procura de pernilongos invasores!

DANIEL: Algo que me marcou muito no início do nosso relacionamento de pai e filhos foi que eles sempre faziam desenhos me representando e me davam de presente. Tenho vários guardados até hoje. Era a forma deles comunicarem que gostavam de mim. Hoje em dia, eles são um grude, tudo que eles fazem é especial.



Fora do Armário: Quais são os planos de vocês para os próximos cinco anos?

LUCIO:  Viver, na plenitude da palavra. Curtir cada momento juntos, e com certeza, viajar, viajar muito!

DANIEL: Curtir muito a família e aproveitar a vida ao máximo.



Fora do Armário: Vocês poderiam deixar alguma mensagem final para os leitores do Fora do Armário?
LUCIO: Tudo fica muito mais fácil quando temos alguém junto da gente, enfrentando os desafios da vida que não são poucos, por isso quero agradecer a meu companheiro Daniel. Ele tem sido também a minha inspiração de viver em dias tempestuosos. Aos leitores, eu sugiro a plenitude da frase “viver e não ter a vergonha de ser feliz”. Afinal, ficamos muito tempo no armário, e temos que sair dele para o mundo sentir o nosso brilho e deixar espaço para lá, para guardar o preconceito, do qual ainda, infelizmente somos vítimas.

DANIEL: Ao meu Mozão, te amo. Aos meus filhos, amo vocês. Aos leitores, lembrem-se sempre: Vivam a vida de vocês! A felicidade é construída. Então arrombem as portas do armário e curtam de montão. E nunca se esqueçam de dizer para a sociedade hipócrita que se incomoda com sua felicidade que VOCÊ NÃO É OBRIGADO A GOSTAR, MAS A RESPEITAR SIM.


O Blog Fora do Armário agradece muito pelo carinho de Lucio e Daniel em compartilharem suas vidas conosco aqui.

Comentários

  1. Um orgulho imenso desse casal, que tive o prazer de conhecer e conviver.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, conheço eles realmente tudo que lir é verdade kkk,fui á casa da minha amiga Elisa Drumond,vi aquelas crianças tão comportada no sofá da sala,é perguntei de quem era,kkkkpois os dois estão de parabéns,pôr educar tão bem os seus filhos.bjos pra vcs seus lindos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Corpus Christi: Vestra frui corporum (Aproveitai vossos corpos)

Entrevista: Conheça Cris Lacerda e sua história de superação