Postagem em destaque

Parada SP ao Vivo: Flashes do evento

Imagem
Pablo Vittar se apresentou na Parada de São Paulo ao Vivo A atração foi trazida pela TIM Por Sergio Viula A Parada da Diversidade de São Paulo cresce a cada ano, inclusive quando realizada virtualmente. De 2018, quando começaram as transmissões simultâneas com a parada na rua, trabalho realizado pela Dia Estúdio, liderada por Rafa Dias, até esse ano de pandemia (2021), o evento experimentou um crescimento estratosférico! Transmitido simultaneamente por 13 canais de peso e patrocinado por gigantes do mundo empresarial (Accor, Amstel, Avon, Bradesco, British Council, Burger King, Doritos, Jean Paul Gaultier, Mercado Livre, Smirnoff e TIM), o evento durou mais de 9 horas , começando às 14h de ontem (domingo). A line-up do evento contou com LINE UP: Alberto Pereira Jr., Bielo Pereira, Dindry Buck, Diva Depressão, Fefito, Gloria Groove, Jean Luca, Katu Mirim, Léo Viturinno, Lia Clark, Linn da Quebrada,  Lorelay Fox, Louie Ponto, Lucas Raniel, Majur, Mandy Candy, Marcia Pantera, Maria Gadú,

Avô de 96 anos sai do armário


Um avô de 96 anos de idade e sobrevivente do Holocausto diz à família que é gay



Ronald Blank conta sua história ao YouTuber Davey Wavey - CREDIT: YOUTUBE


Por Anna Schaverien
The Telegraph
Em 05 de março de 2017
Traduzido por Sergio Viula



O bisavô é casado com a mesma esposa há 67 anos, mas só contou à família que é gay no ano passado.

Originário da Polônia, Ronald Blank e sua esposa Ruth se mudaram para os Estados Unidos depois da Segunda Guerra Mundial.

O Sr. Blank falou ao produtor de vídeos do YouTube Davey Wavey sobre sua experiência única de sair do armário, antecipando o documentário On My Way Out (Saindo), que o neto dele, Brandon Gross, está dirigindo sobre o avô.

O Sr. Blank explicou que sabia que era gay desde os cinco anos de idade. Ele disse à família: “Eu nasci e por toda a minha vida fui gay."

“Eu contei a eles toda a tragédia da minha vida e ele entenderam o que aconteceu comigo.”

Numa entrevista anterior para a Out Magazine, o Sr. Blank explicou como era quando ele era jovem: "Ser gay era um crime, e você era condenado a escolher entre o suicídio ou a vida no armário. Eu decidi viver.”

O nonagenário disse a sua esposa Ruth, também com 96 anos, a verdade sobre sua sexualidade décadas antes de contar ao restante da família.

O Sr. Blank disse a Ruth, que também é uma sobrevivente do Holocausto, que ele era gay depois do nascimento de seu segundo filho em 1953.

Ela guardou o segredo dele até que ele finalmente estivesse pronto para contar a seus dois filhos, cinco neto e um bisneto no ano passado.

O homem de 96 anos distribuiu pérolas de sabedoria sobre amor numa tocante entrevista.

Ele confirmou que gostaria de ter um namorado ou companheiro, e que não ligaria para a aparência dele.


Ele disse: “Eu não olho para seus rostos, mas para o coração."

“Serei muito honesto sobre isso. Eu realmente não preciso de conexão física ou mental. Mas eu quero. Eu quero ir dormir e ter alguém perto de mim, não por outra razão qualquer, mas para estar certo de que alguém liga. Isso é tudo.”




----------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO



Só uma pergunta para quem lê esse post e ainda está no armário.



Vale a pena passar a vida toda escondido?



Não saia do armário de qualquer jeito. Prepare-se para o que der e vier. Mas, não viva prisioneiro se você tiver a chance de viver em liberdade sem risco de morrer por causa disso - como era o caso do Sr. Blank. 


Ah, e mais uma coisa: O Sr. Blank é prova viva de que não se trata de uma escolha, uma fase, uma moda. Você é! Você não está! Você não virou e não vai desvirar! Você é! Orgulhe-se de QUEM VOCÊ É.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈