Postagem em destaque

Da cura gay à liberdade de ser - Paulo Stekel e Sergio Viula

Imagem
 Por Sergio Viula Era feriado da Proclamação da República. Paulo Stekel, dono de um canal com muito conteúdo sobre espiritualidade, me convidou para um bate-papo sob o título "Da falácia da cura gay à liberdade de ser". Começamos a conversar às 21h, encerrando o feriado com uma troca super divertida e bastante inspiradora. No vídeo abaixo, você poderá assistir essa conversa e pensar sobre diversas coisas também. Provavelmente, você se identificará com muitas delas e poderá até desenvovler uma nova perspectiva sobre muitas outras. Assista.🌈Comente. 🌈 Compartilhe. 🌈

A quatro dias do meu aniversário

Por Sergio Viula

Andre e eu a caminho do supermercado hoje.



Segunda-feira, dia 04 de maio. Estou a apenas quatro dias para a finalização de mais uma translação ao redor do sol. 

Sempre digo que amo o outono, mas nunca tinha pensado nisso até agora: Eu nasci no outono! Macacos me mordam, como é que eu nunca tinha feito essa conexão? Estreei meu longametragem no planeta em pleno outono - aquela estação na qual o céu é azulsíssimo, o sol brilha alegremente e as temperaturas são amenas, chegando a ser possível dispensar o ventilador e adotar a manta durante as noites. Adoooooro!

Obrigado, mãe, por ter me preparado em tempo hábil para nascer nessa estação e não no infernal verão carioca. Beijos do filhote!


Supermercado

Fomos ao mercado hoje. Depois de vários dias sem pormos os pés fora de casa, Andre e eu vestimos nossas máscaras e partimos para as compras. 

É curioso vermos como os arquétipos estão alterados. Antigamente, a gente pensava em dois caras mascarados entrando num estabelecimento comercial como assaltantes. Hoje, os caras mascarados são os assaltados! 

É impressionante como gastamos quase 400 reais para comprar tão pouca coisa. Lembro ainda de tempos em que 200 reais enchiam um carrinho. O nosso não chegou sequer à metade. Não mesmo. Ficou bem abaixo disso. 


Socorro!


Fico pensando como é que as pessoas que estão recebendo um socorro de 600 reais vão viver com isso. E pensar que Guedes e seu patrão queriam liberar apenas 200 reais, uma miséria três vezes menor que essa aí que vem sendo paga ao custo de enorme sacrifício dos que se enfileiram em todas as agências. Passamos por duas hoje e testemunhamos - da janela do nosso uber - a aflição dessas pessoas. Não fossem deputados de oposição fazendo pressão, esse povo passaria por tudo isso para receber duas notas de 100 reais na boca do caixa. Isso não daria nem para comprar arroz, feijão e leite para todas as bocas famintas em casa. 

E quem é que vive apenas com arroz e feijão, deusa Ceres? Ou só de leite, deus Hermes? 

Não só isso, mas não podem sequer comprar leite Ninho. Têm que se contentar com caixas de tetrapak (longa vida) que dizem os fabricantes estar cheias do mais puro leite bovino, mas que, na verdade, carregam mais aditivos químicos e mijo de vaca do que qualquer outra coisa.

A nossa "sorte" - muito bem paga em nossa última incursão ao supermercado, diga-se de passarem - é que já tinhamos arroz, feijão, macarrão, molho de tomate, milho, ervilha, cebola e várias outras coisas na dispensa. Essas coisas não entraram na conta de hoje. Imagina se precisássemos de tudo o que compramos e mais essas coisas que já temos na dispensa... Daria quase 1.000,00!!!!! E só para constar: fazemos compras no supermercado três vezes ao mês, geralmente.

Eu me pergunto como é que alguém vive com um salário mínimo para sustentar quatro ou cinco pessoas em casa. E como entender que muita gente dessa classe social continue incensando quem os explora - de patrões a políticos. Sem dúvida, não há pobreza maior do que a falta de pensamento crítico e bem informado.



Mudanças e superação

A vida segue. As coisas mudam. Às vezes, para pior, mas mudam. Às vezes, para melhor, e que bom que mudam! 

Só não muda o fato de que tudo muda o tempo todo. 

Minha mãe, que amamentou um bebê sem um pelo sequer no corpo, agora tem um filho com barba divida entre alguns fios pretos e muitos outros brancos. Ela, porém, continua aí - faceira e guerreira, mesmo depois de enfrentar um terrível câncer ano passado. 

Tenho muitos motivos para comemorar - meus pais, meus filhos, Andre (meu marido e amor!), que estão sempre perto de mim, mesmo quando distantes, como minha filha, que mora em outro país hoje. Além desse círculo mais próximo, tenho vários amigos sinceros e queridos, entre os quais figuram alguns parentes, não todos.

Do alto de minha felicidade por tudo isso, manifesto minha solidariedade para com os que perderam seus entes queridos para o coronavírus ou qualquer outra fatalidade. Sejam fortes, vivam o que houver para viver no melhor de suas forças. Pensem que seus entes queridos, já não presentes, adorariam ver a felicidade de vocês, não a tristeza. Chorem a falta deles. Não reprimam o choro. Mas, depois de chorarem, reúnam suas forças, ainda que pareçam ínfimas, e agigantem-se diante dos desafios que estão pela frente. Viver é uma oportunidade única!  E digo única em pelo menos quatro sentidos em nosso léxico:

1. Não existe outra, é exclusiva, singular.
2. Especial, fora do comum, excepcional.
3. Superior a tudo o mais, incomparável.
4. Sem par, sem igual ou semelhante.


VIVA! 
Mas não saia de casa, exceto em casos extremamente necessários.

Use máscara e lave bem as mãos. Se não puder lavá-las, use ácool gel.



P.S.: Enquanto escrevia esse post, Andre me disse que acabou de saber que 70 pessoas foram demitidas da empresa onde ele trabalha. Não temos ideia do que será o futuro, pessoal, mas precisamos viver um dia de cada vez. Acima de tudo, não desperdice um centavo. Você não sabe quanto tempo precisará enfrentar essa crise. Nós também não.

Comentários

  1. Mestre lindo., Obrigado por dividir comigo, o decorrer de sua manhã com André. Difícil e triste tudo que estamos passando. Cruel dizer... Que dias piores virão.. Mas enfrentaremos com Esperança de dias melhores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, minha amiga querida. A vida traz seus desafios e nós respondemos com nossa persistência e alegria no enfrentamento de cada um e no desfrute de cada vitória. Beijos pra ti.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈