Postagem em destaque

Heartstopper: Uma série que inspira e encanta

Imagem
Kit Connor e Joe Locke fazem o papel de Nick Nelson e Charlie Spring,  respectivamente, em Heartstopper. (Netflix) Por Sergio Viula Com informações do portal Pink News Já se passaram seis anos desde que Alice Oseman escreveu sua webcomic (quadrinhos para a Internet). Os quadrinhos foram muitíssimo bem recebidos. Agora, Heartstopper chega à Netflix e já figura entre os produtos mais assistidos do streaming. Heartstopper conta a história de Charlie (Joe Locke), um adolescente gay que vive completamente fora do armário, e que se apaixona por Nick (Kit Connor), um jogador de rugby em sua escola. Charlie é gay. Nick é bissexual. Elle é transexual negra e apaixonada por Tao Xu, que é asiático-americano. Tara e Darcy são duas garotas cisgêneras e formam um casal interracial. E, por fim, existe o Ben, que é gay enrustido e mal resolvido, mas vive dando em cima de Charlie em segredo. Eu assisti tudo nesse feriado de Tiradentes e adorei! Assista a série aqui: HEARTSOPPER - NETFLIX . Trailer ofic

Joe Biden assina decreto pela diversidade LGBT+

Joe Biden assinando decretos em várias areas diferentes, 
inclusive quanto aos direitos LGBT



Em seus primeiros momentos como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden assina o que ativistas dos direitos LGBT consideram "o mais substancial decreto pró-LGBT+ na história" americana.

Numa única tarde, o "legado" do ex-presidente Donald Trump foi desfeito. O presidente Joe Biden assinou uma série de decretos (20 de janeiro) incluindo um que expande um marco decisório da Suprema Corte que determina que o governo não discrimine com base em orientação sexual e de gênero. Em outras palavras, o decreto tranquiliza incontáveis funcionários de agências federais quanto à possibilidade de serem discriminados nos seus locais de trabalho - uma violência que Trump havia relativizado durante sua administração.

O decreto “se baseia na decisão da Suprema Corte no caso Bostock contra o Condado de Clayton (2020) e garante que o governo federal interprete o Título VII da Lei de Direitos Civis de 1964 como proibindo a discriminação com base em orienação sexual e identidade de gênero,” escreveu a Casa Branca numa declaração.

Biden também mirou nas políticas de Trump que permitiam discriminação contra pessoas trans nas forças armadas. O dano causado por Trump foi tanto que pode levar até um ano para que o Pentágono consiga corrigir tudo, conforme o decreto.

Joe Biden foi saudado como uma "lufada de ar fresco" por ativistas LGBT e por milhões de americanos que sentem que finalmente podem respirar aliviadamente.

Não seria fantástico que o Brasil conseguisse se livrar do legado diabólico de Bolsonaro em 2022 tambem? 


Atualização:


Biden também autorizou o uso de bandeiras LGBTs em escritórios oficiais do governo e em toda diplomacia norte-americana pelo mundo - coisa que havia sido proibida por Donald Trump.

O presidente recém-empossado justificou a medida diante do Senado americano assim: “A violência contra a população LGBT aumenta no mundo. Os EUA precisam assumir seu papel de proteger essas pessoas”.






Vale lembrar que as embaixadas americanas resistiram a Mike Pompeo, Secretário de Estado na adminstração Trump, quando este tentou impedir que as embaixadas americanas exibissem a bandeira do arco-íris no dia do Orgulho LGBT em 2019. De Seul a Brasília, os diplomatas contornaram a determinação e celebraram a data. Relembre com o caso com O Globo.

Quanto ao presidente Biden e suas políticas anti-discriminação, o blog Fora do Armário só tem uma coisa a dizer: Vai, civilização!!!!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia