Postagem em destaque

Tom Daley: Gay e ouro olímpico - por que isso importa?

Imagem
Tom Daley - campeão olímpico irradiando gay pride   Por Sergio Viula Por que o discurso de Tom Daley colocando-se como homem gay no pódio importa e faz diferença? Aproveitando para responder uma pergunta idiota feita num comentário de uma amiga que compartilhou uma postagem sobre o discurso do Daley. Assista.

Quando um anúncio da Trivago muda sua vida

André e eu no Rio - fim de semana pós-carnaval


Faltava uma semana para o carnaval 2016. Eu havia gasto uma boa grana para passar a semana de natal em João Pessoa, PB. Como moro no Rio, gastei com avião e hotel na capital paraibana - hotel com localização privilegiada, bem em frente à praia. Mas eu merecia. Foram cinco anos sem viajar nas férias. 

Por isso, não havia programado nenhuma viagem para o carnaval. Pensei em ficar pelo Rio mesmo e dar umas voltas pela Cidade Maravilhosa durante o reinado de Momo. 

Sabia de nada, inocente.

Numa tarde em que eu almoçava assistindo as peripécias de Mônica Iozzi e Otaviano Costa no Vídeo Show, acabei vendo uma propaganda da Trivago. Sim, essa empresa mantém um portal de busca para quem deseja encontrar os melhores preços de hotéis em qualquer lugar do mundo. 

Pensei: Por que não conferir o custo de passar uma semana em linda Florianópolis ou na grande Belo Horizonte?  Você pode estar se perguntando por que essas duas cidades? Explico...

Pensei em Florianópolis, porque é a única capital do sul que eu não havia visitado ainda. Em seguida, cogitei Belo Horizonte, porque é a única capital do sudeste que eu ainda não conhecia pessoalmente. Felizmente, optei pela capital mineira. E digo felizmente por uma razão que tornaria qualquer lugar do mundo o melhor de todos, pelo menos naquele momento. Explico...

No meu terceiro dia na cidade (domingo), conheci André. 

O carnaval tem esse lado 'mágico' de tornar as pessoas mais acessíveis, mais abertas, mais livres. Bastaram alguns momentos juntos naquela atmosfera linda de BH para para não nos descolarmos mais um do outro. 

Ele me convidou para ir até o trabalho dele. Apesar de estar de folga, ele havia deixado uns objetos pessoais na loja no dia anterior. Conhecer o trabalho dele foi uma ótima maneira de confirmar sua idoneidade. Já se via que não se tratava apenas de um aventureiro bom de papo. 

Dali, fomos para a Savassi, onde um carnaval de rua acontece tradicionalmente. Ao final da festa, que termina cedo por regras da prefeitura e por fiscalização da polícia, fomos para o apartamento dele. 

Lembra do hotel que eu havia reservado pela Trivago?

Ele ficava bem no centro, pertinho da feira de artesanato, e do Parque Municipal. Blocos de carnaval passavam ali mesmo pela rua em frente. 

Pois é, entrei nesse hotel na sexta-feira, à tarde, mas só dormi lá duas noites (a de sexta e a de sábado), porque saí na manhã de domingo pensando em me divertir um pouco e retornar, mas acabei só voltando na quarta-feira de cinzas para fazer check-out e voltar para o Rio. 

E por quê? 

Simplesmente, porque eu e André decidimos ficar juntos desde o primeiro dia em que nos vimos até o último em que fiquei na cidade. Se eu me arrependo de ter reservado tantos dias sem uso? NUNQUINHA, baby. Estar com ele foi perfeito. Doloroso mesmo foi ter que voltar. Não queríamos nos separar. 

E sabe da maior? Não nos separamos mesmo. 

No dia seguinte, quinta-feira, André comprou passagens para o Rio. Combinamos dele ficar comigo todo o final de semana. A estada começou na sexta e foi até segunda-feira pela manhã. Nesse período passamos momentos maravilhosos juntos - o que só reforçou a convicção de que estávamos numa conexão que não se experimenta todo dia e nem com todo mundo. Valia a pena acreditar que essa semana linda poderia se tornar muito mais.

De lá para cá, temos nos falado diariamente. Geralmente, por duas, três horas. Um domingo desses, conversamos por cinco horas no total em mais de uma conversa ao longo do dia.

Como ele vai retornar ao Rio na Páscoa, ou seja, daqui a um mês. Decidimos fazer uma contagem regressiva em nossas timelines no Facebook

Eu tenho escrito um verso por dia. Ele tem publicado desenhos, fotos e frases.

 Em breve, reunirei todos os meus aforismos e publicarei aqui. São todos sobre saudade. Podem aguardar que eles virão no dia 25 de março, dia em que ele chega.

O futuro? 

Será compartilhado, obviamente.

Como tudo isso começou? 

Graças a um comercial da Trivago. Quem diria? Se não fosse aquele momento e a decisão de conferir as condições, fechando logo um bom negócio, não teríamos nos conhecido. Valeu, Trivago! :)


E foi esse menino mesmo que fez a propaganda, tá meu bem? ^^



Moral da história: Quando e onde você menos espera, o amor pode flechar seu coração. Às vezes, basta estar distraído. ;)



Comentários

  1. Amigo fico muito feliz por vc! Realmente o amor pode nos flechar quando menos esperamos ;-) Longa vida a esse amor.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Ribamar. E mesmo, queridão.

    Super abraço.
    Sergio

    ResponderExcluir
  3. Adoro essa felicidade, adoro a ressaca do amor...felicidades sempre, vocês merecem tudo o que há de melhor. Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Mônica. Que lindo seu comentário! Obrigado mesmo. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Sou uma romântica em potencial! O amor é pra mim o q existe de mais belo!
    Felicidades, seus lindos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈