Postagem em destaque

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E SEXODIVERSIDADE

Imagem
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E SEXODIVERSIDADE Por Sergio Viula Fundada por Charles Taze Russell em XXXXX, a religião conhecida como Testemunhas de Jeová é uma das mais totalitárias do mundo. Confundida por muitos com as igrejas evangélicas, a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, ligada ao Corpo Governante contava com mais de oito milhões e duzentos mil membros. No Brasil, são pouco mais que 700 mil seguidores e 11.562 Salões do Reino das Testemunhas de Jeová (seus templos) no mundo todo. Esses números são de 2014, ultima contagem publicada até o momento desse artigo. Entre suas crenças mais conhecidas e repudiadas estão a de não doar e nem receber sangue sob hipótese alguma e a de não participar da vida cívica do país em que estejam inseridas. Porem, muitas outras crenças são estranhas à maioria das comunidades ditas cristãs. As Testemunhas de Jeová não se consideram ‘evangélicas’ quando termo é aplicado a igrejas protestantes mais recentes e pentecostais, mas gostam de se denomina

Blog Fora do Armário: Redistribuindo o tempo livre

Por Sergio Viula

Mais tempo para vivermos o nosso amor



Faz apenas 12 dias que eu decidi reformular minha presença e ação nas redes sociais. E a diferença já se faz sentir claramente. Não que eu tenha desistido completamente desses meios, mas decidi fazer uso deles para socialização, exclusivamente. Antes eu postava 7, 8, até 10 vezes por dia. Hoje, eu eu posto uma a duas vezes por dia, apenas. E são sempre postagens leves, com um toque bem pessoal. Nada de política, religião ou ativismo. 

Parece-me inútil discutir essas coisas nos ambientes virtuais. Se é que seria possível obter algum benefício de discussões assim em conversas face a face.

E como eu disse em outra ocasião, esse blog começou como um diário. Com o tempo, ele foi ganhando um perfil noticioso. O que decidi fazer agora foi simplesmente voltar às origens, ou seja, retornar aos tempos de 'diário' - o que não quer dizer que escreverei diariamente, mas que as postagens feitas aqui refletirão algo do meu dia a dia, coisas que eu me sinta inclinado a compartilhar ou comentar.

Tempo há, basta redistribuí-lo

É incrível como a gente economiza tempo apenas mudando alguns hábitos. Eu nunca fui um fiel cliente da Netflix. De início, usava a conta emprestada por uma amiga. Via muito pouco de tudo aquilo. Depois, Andre, meu marido decidiu assinar a Netflix. 

Na verdade, eu já era assinante da Globoplay. O problema é que as séries e os filmes sempre estiveram lá, mas eu raramente assistia alguma coisa. Isso mudou completamente depois que eu passei a dedicar menos tempo às redes sociais. Garanto que é bem mais divertido maratonar a Netflix do que tentar debater surradas ideias em rede social.

Poucas vezes, descansamos tanto quanto nesse final de semana, especialmente no domingo. Sábado ainda foi dia de agitação. Trabalhamos até o início da tarde, fomos ao mercado, e Andre colocou a roupa na máquina para lavar. Mas, depois disso, já no início da noite, começamos a maratonar a Netflix. 

Domingo foi melhor ainda: comemos o que quisemos fazer em casa, assistimos outras séries e filmes, visitamos meus pais, e depois começamos a nos preparar para enfrentarmos a segunda-feira que já nos acenava de perto - tudo isso sem correria e sem aborrecimento. Tem coisa melhor na vida?

Claro que no meio disso tudo, tivemos muito tempo para fazer o que há de melhor na vida: AMOR!

Feriadão à vista

Agora vem Carnaval aí. Nosso plano é muito simples: Relaxar. 

No ano passado, saímos para vermos um bloco ou outro. Esse ano, porém, optamos pela alternativa mais segura, mais barata e menos cansativa: curtir nosso cafofo, cozinhar juntos, fazer o que nos der na telha ou não fazer nada, mas tudo isso num ritmo tão tranquilo quanto o daquela música de Cazuza: "...Ser teu pão, ser tua comida Todo amor que houver nessa vida..."

E vocês? O que estão planejando para esse carnaval? Deixem um comentário sobre isso. Não importa se é ferver ao som da bateria de algum bloco ou escola de samba, curtir à beira da praia, fazer um churrasco com os amigos ou ficar quietinho esperando a banda passar. Apenas faça do seu jeito. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈