Postagem em destaque

LGBT no BBB 2022

Imagem
 Por Sergio Viula Você pode amar, odiar ou ser indiferente ao Big Brother Brasil (BBB), mas o que ninguém consegue é ficar totalmente alienado das tretas que explodem mais cedo ou mais tarde na casa mais vigiada do Brasil.  No ano passado, comemoramos a presença de muitos participantes negros no BBB. Porém, logo ficou nítido que a quantidade perdia a importância diante da qualidade dos comportamentos e das falas de alguns dos participantes. Karol Conka, Nego Di, Projota  e Lumena fizeram brasileiros de todas as cores se revoltarem em suas poltronas por causa de várias posturas reprováveis, especialmente pelo modo como agiram com outro negro - o jovem Lucas Penteado. O massacre psicológico feito contra o rapaz foi tão truculento que culminou em sua saída "voluntária" do programa.  Curiosamente, a gota d'água para Lucas foi a incompreensão de alguns dos participantes a respeito do beijo que ele e Gil - outro homem negro - trocaram durante uma festa na casa. As pessoas que m

Finados: Portal Homofobia Mata abre seu banco de dados (via Eduardo Michels)

 

Nota: Essa postagem foi feita pela primeira vez em 02 de novembro de 2019, porém, ddevido a um problema que estava impedindo seu aparecimento nas buscas do Google, eu decidi eliminar a anterior e fazer essa nova. Agora, qualquer pessoa poderá achá-la nas buscas. A postagem é a mesma, mas vale a pena dar uma olhada se você não viu ainda, especialmente na entrevita lá no vídeo lá embaixo.


Via Eduardo Michels, pesquisador




Neste Dia de Finados dedicamos o nosso reconhecimento às pessoas queridas que se foram de forma tão cruel, que estão em nossas memórias permanentemente a guardar todo o nosso amor na saudade daqueles que amamos e de quem nunca esqueceremos!

LGBT+ MORTOS NO BRASIL – 2011/2018
Os crimes de ódio, também chamados de crimes motivados pelo preconceito, são crimes cometidos quando o criminoso seleciona intencionalmente a sua vítima em função de esta pertencer a um certo grupo.

Homofobia no Brasil ainda é um problema presente e constante, havendo estatísticas compiladas pelo site Homofobia Mata que sugerem que o Brasil é o país com a maior quantidade de registros de crimes homofóbicos do mundo, seguido pelo México e pelos Estados Unidos.

De acordo com o site, um homossexual é morto a cada 28 horas no país por conta da homofobia (assassinatos e suicídios) e cerca de 70% dos casos dos assassinatos de pessoas LGBT ficam impunes. O país teve mais de 2.700 assassinatos homofóbicos ou transfóbicos entre 2011 a 2018, e desde 2008 concentra quase metade do total de homicídios de transexuais do mundo, de acordo com o relatório da organização europeia Transgender Europe.


CONFIRA: https://homofobiamata.wordpress.com/inicio/

Eduardo Michels foi pesquisador do GGB por oito anos. O site Homofobia Mata, agora chamado HomoTransfobia Mata, foi criado por ele, bem como toda uma nova maneira de pesquisar e de publicar os casos de homofobia e transfobia letal no Brasil. 

Para saber mais, assista uma entrevista feita com o autor das pesquisas em seu período mais elaborado acesse esse vídeo no meu drive: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Eduardo Peret: Homenagem a um amigo que bateu asas e deixou saudades

Bebê a bordo: Diário de um avô colorido 👴🏳️‍🌈