Postagem em destaque

Joe Biden e Kamala Harris: A presidência mais inclusiva da história americana!

Imagem
Por Sergio Viula Biden e Harris fizeram a administração mais inclusiva em relação às pessoas LGBT da história dos EUA e do mundo! Cito abaixo apenas 10 das quase 350 decisões inclusivas para essa parte da população estadunidense: A administração de Joe Biden e Kamala Harris tem adotado várias políticas e ações significativas em favor da população LGBT. Aqui estão algumas das principais decisões e medidas: Ordem Executiva de Proibição de Discriminação: No primeiro dia de sua presidência, Joe Biden assinou uma ordem executiva que proíbe a discriminação com base na identidade de gênero ou orientação sexual em diversas áreas, incluindo educação, emprego e saúde. Reversão da Proibição de Pessoas Transgênero nas Forças Armadas: Biden revogou a proibição de pessoas transgênero servirem abertamente nas forças armadas dos EUA, uma política implementada durante o governo Trump. Proteção de Direitos em Educação: A administração Biden-Harris reforçou a aplicação do Título IX para proteger estudan

Ucrânia celebra Orgulho LGBT pela primeira vez dois anos depois da invasão russa




Pela primeira vez desde a invasão das forças russas há dois anos, a comunidade LGBTQ+ da Ucrânia celebrou o Orgulho com uma marcha na capital, Kiev.

No domingo, algumas centenas de pessoas marcharam pelas ruas de Kiev, entoando slogans como "Faça a Rússia pagar" e "glória aos heróis." No entanto, a marcha foi interrompida pouco após o início, com as autoridades suspendendo o evento por questões de segurança dos participantes. "Enfrentamos sempre uma grande oposição e violência ao tentar organizar eventos do Orgulho. Muitos homofóbicos acreditam que os gays não deveriam ter direitos na Ucrânia," disse Robert Lutsenko, organizador do Kiev Pride, ao The Guardian. Ele destacou que a polícia alertou os manifestantes sobre possíveis ataques de grupos de extrema-direita. "Diariamente, enfrentamos opiniões homofóbicas e protestos contra nosso modo de vida." Eventos do Orgulho já foram atacados antes: em 2015, 10 participantes ficaram feridos após serem agredidos por contra-manifestantes. Este ano, os participantes também temiam possíveis ataques do exército russo.

O Ukraine Pride trabalhou em estreita colaboração com as autoridades locais para garantir a segurança dos participantes, e o local do evento não foi divulgado publicamente, sendo informado apenas aos envolvidos poucas horas antes. Os manifestantes aproveitaram a ocasião para reivindicar direitos ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e uma lei de crimes de ódio inclusiva para a comunidade LGBTQ+. Atualmente, a igualdade no casamento não é reconhecida na Ucrânia, que também não possui uma legislação nacional que proíba totalmente a discriminação com base na identidade LGBTQ+. "Direitos básicos como proteção contra crimes de ódio ainda são inalcançáveis," afirmou Lutsenko. "Mas este Orgulho é um símbolo de nossa resistência. Estamos aqui para mostrar que permanecemos fortes, que o amor e a solidariedade podem prosperar mesmo nos tempos mais difíceis."




Fonte da foto: 
https://www.lgbtqnation.com/2024/06/ukraine-just-held-its-first-pride-event-in-years-despite-russias-continued-invasion/ 

Fonte da foto:
https://www.lgbtqnation.com/2024/06/ukraine-just-held-its-first-pride-event-in-years-despite-russias-continued-invasion/





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A homossexualidade no Egito antigo

Humorista 'Picolina' é encontrada morta dentro de casa em Fortaleza

Zeus e Ganimedes: A paixão entre um deus e um príncipe de Tróia